Pular para o conteúdo principal

Por medo ou comodidade?



No mundo capitalista, o aumento da capacidade de consumo é um dos indicadores de sucesso individual. Se eu antes só podia comprar aquele cachorro-quente da esquina e andar de ônibus, mas agora tenho condições de lanchar no McDonald’s e pagar Uber, é porque as coisas estão dando certo. Isso considerando os parâmetros de um cidadão comum, de classe média.

Quais as motivações que levam a tal elevação dos padrões de consumo? A resposta mais comum aponta para a cultura disseminada por grandes empresas por meio de propaganda e marketing.

É bem mais vistoso ir de carro àquela nova sorveteria de paleta mexicana no shopping refrescado pelo ar condicionado do que caminhar até a do bairro para tomar uma casquinha sob o sol escaldante.

No entanto, a preferência pela opção mais chique não é movida só pela comodidade e status. Há um outro elemento, ora subjetivo, ora explícito: o medo.

Quem vive na cidade, já viu notícia, conhece alguém ou vivenciou um assalto na lanchonete ou no ponto de ônibus. Além do incentivo de “subir na vida”, o trauma da violência é outra razão para repudiar os hábitos de uma vida humilde.

Agora eu não quero um carro só pelo conforto de se locomover sentado, mas também para evitar a adrenalina de esperar pelo ônibus e receber uma moto com dois indivíduos armados pedindo o celular e a carteira. Também prefiro o ambiente selado do shopping porque entendo que o máximo que pode acontecer durante o fast food é uma dorzinha de barriga.

Até existem riscos nesses ambientes, mas são menos óbvios. Não preciso gelar o coração toda vez que alguém suspeito se aproxima.

Depois que vira hábito, esqueço as razões que motivam minhas escolhas. Só ajo e pronto. Por isso, refleti sobre por que parei de ir a locais mais simples e passei a praticamente só andar motorizado. Felizmente, agora eu tenho um pouco mais de condição financeira para bancar esses confortos. Mas são por medo ou comodidade?

Imagem via Freepik

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que ferramentas de redação, edição e revisão fazem a diferença